Concurso


O Concurso de Ideias para João Pessoa contou com diversos participantes, que ofereceram soluções criativas para a melhoria da infraestrutura de sua cidade. O Sinaenco acredita que é pensando antes que se constrói a cidade do futuro. Obrigada a todos aqueles que, a sua maneira, estão ajudando a planejar a João Pessoa que queremos!

Confira abaixo as ideias vencedoras:

Votação Online

   

André Luiz Queiroga, 33 anos,
Servidor do Laboratório de Estudos Ambientais da UFPB


Harmonia entre rios e paisagem urbana

João Pessoa é uma cidade cortada por rios que têm suas nascentes encravadas em diversas áreas urbanas. O planejamento ambiental relacionado a gestão das águas urbanas precisa entender que os recursos hídricos não sofrem influência apenas do meio ecológico, mas também têm suas conformações alteradas devido às relações sociais de ordem cultural, política e econômica. Assim, observando a necessidade de integrar as diretrizes do ambiente natural e o ambiente urbanizado, fica evidente a dificuldade em planejar o desenvolvimento urbano, tendo em vista o processo altamente dinâmico e mutante do crescimento das cidades. Desta forma é possível elaborar a seguinte pergunta: Em um ambiente urbano consolidado, como transformar, revitalizar ou manter a paisagem fluvial em um ambiente de promoção da sustentabilidade, fortalecendo as potencialidades e minimizando as vulnerabilidades locais? As repostas para esse questionamento podem ser encontradas na vinculação dinâmica e equilibrada presente nas diretrizes da sustentabilidade local. A ideia seria promover ações de monitoramento e integração de bacias hidrográficas de rios urbanos em João Pessoa, promovendo a melhoria da relação qualitativa e quantitativa dos parâmetros de sustentabilidade (saneamento, riscos ambientais, mobilidade e lazer) e do potencial uso dos recursos naturais, de modo a harmonizar a presença dos rios no meio ambiente urbano.

“A ideia tem a ver com um dos objetivos da minha tese doutorado, que é harmonizar os rios e a paisagem urbana de João Pessoa. O município tem uma malha hidrográfica muito relevante, praticamente todos os bairros são cortados por cursos d’água. Ocorre que a versão atual do Plano Diretor não contempla diretrizes para compatibilizar o crescimento da cidade e a necessidade de preservação dos rios urbanos. O concurso ajudou a dar visibilidade para o meu trabalho na Universidade e também no poder público. Já fui contatado por representantes da prefeitura, que querem que eu apresente a proposta para outras instâncias. Enfim, a ideia vai ganhando corpo. Sempre privilegiei como metodologia a pesquisa-ação, pois acredito que o que desenvolvemos na Academia deve trazer benefícios para a sociedade.”






Votação da Comissão Técnica

   

Evandro Cesar Lima
Ferreira, 47 anos,
engenheiro civil e de instalações


Banco de projetos

Os prefeitos, governadores e presidentes devem fomentar a execução de um banco de projetos para incluí-los no planejamento de curto, médio e longo prazo nas respectivas esferas de poder. Caberá às respectivas secretarias de planejamento a organização, coordenação e gerenciamento desde banco de projetos, conjuntamente com um conselho gestor formado por representantes da sociedade civil organizada. É fundamental que se implante um dispositivo jurídico, lei municipal, estadual e federal que obrigue o dever de cumprir a execução desses projetos contemplados no banco, independentemente de ideologia, partido político ou sistema de governo. A decisão final será técnica. A condição técnica mínima para inclusão de um projeto no banco de projetos será o estudo de concepção e projeto básico, a execução da obra só poderá acontecer com o projeto executivo.

“O administrador público tem quatro anos de mandato, ou oito, quando reeleito. Porém, não se consegue desenvolver todas as etapas de um projeto, por exemplo de infraestrutura, e executar a obra nesse tempo. O banco de projetos serviria como base para o planejamento dos municípios, estados, país. Por meio dele, teríamos a possibilidade de continuidade dos planos traçados, mesmo com troca de administração. Fora que a ferramenta para buscar recursos é o projeto. Acho muito importante a iniciativa do concurso promovido pelo Sinaenco, pois as sugestões vindas da sociedade civil podem ajudar o gestor a pensar o planejamento da cidade.”



Votação da Comissão Técnica

   

Lucas Ramalho Palmeira, 22 anos, estudante de Administração na UFPB


Terminal integrado

Construir um terminal de transporte rodoviário integrando as linhas urbanas, metropolitanas e intermunicipais, aproveitando e aprimorando a estrutura já existente. Assim as pessoas que estão em trânsito nessas linhas não precisariam sair do terminal para pegar ônibus para outas regiões, poderiam vir de suas cidades e facilmente pegar outro ônibus para chegar a localidades dentro da cidade. A criação de um cartão para uso comum nesses meios também se faria viável.

“A minha ideia partiu da própria proximidade do terminal urbano e da rodoviária. Eles estão a uma distância de 200, 300 metros um do outro. A unificação dos dois melhoria a qualidade do transporte e facilitaria o deslocamento de quem chega à capital ou vai daqui para outras cidades, como Campina Grande e Patos. Digo que é uma proposta baseada no senso comum, pois é provável que outras pessoas já tenham pensando na mesma solução. A João Pessoa que eu gostaria para o futuro? Uma cidade com mobilidade urbana, mais bem planejada, com infraestrutura, calçadas, condições de segurança melhores.”