Concurso


O Concurso de Ideias para Fortaleza contou com diversas propostas, que ofereceram soluções criativas para a melhoria da infraestrutura de sua cidade. O Sinaenco acredita que é pensando antes que se constrói a cidade do futuro. Obrigada a todos aqueles que, a sua maneira, estão ajudando a planejar a Fortaleza que queremos!

Confira abaixo as ideias vencedoras:

Votação Online

   

Nayana de Almeida Santiago,
ambientalista, 22 anos


Resíduos Sólidos

O gerenciamento inadequado dos resíduos tem como consequência a poluição do meio ambiente. Embora existam leis que orientam para o correto gerenciamento dos resíduos sólidos nas três esferas de governo, a problemática dos resíduos ainda é um problema de saúde pública para Fortaleza. Na busca de incentivar a responsabilidade compartilhada e contribuir para o desenvolvimento sustentável, proponho a criação de um centro de triagem com capacidade para receber os resíduos gerados na cidade de Fortaleza. O centro de triagem deverá possuir esteira onde os resíduos serão dispostos e separados por catadores. Sugiro ainda que circulem na cidade de Fortaleza dois tipos de caminhões, a saber: os que irão coletar os rejeitos e outro que coletará somente os resíduos que poderão ser reciclados, visado facilitar a separação dos resíduos no centro de triagem e estimular a população a segregar os seus resíduos gerados. A criação de um centro moderno de triagem, e a utilização de caminhões para coletar materiais recicláveis trará para a cidade de Fortaleza benefícios econômicos (aquecimento do mercado da reciclagem), social (introdução dos catadores no mercado de trabalho) e ambiental (aumento do tempo de vida útil do aterro sanitário).

“A minha ideia para concurso partiu do meu dia a dia de trabalho como ambientalista. Já dei aulas sobre resíduos sólidos como voluntária, e quando encontrei a possibilidade de expor uma proposta para pode ajudar a mudar a nossa minha realidade, quis logo contribuir. Acredito que a criação de um centro de triagem de resíduos para a cidade de Fortaleza, onde rejeitos recicláveis e não recicláveis serão separados e enviados para o destino correto, pode gerar vários benefícios: econômicos, com a atração de possíveis investidores em reciclagem; sociais, com a profissionalização de catadores e com a criação de uma atitude coletiva de separação dos resíduos; e ambientais, com o aumento tempo de vida útil do aterro sanitário.”






Votação da Comissão Técnica

   

Maria Amável Sobrinha,
arquiteta, 65 anos


Consolidação do polo cultural / universitário do Benfica

Consolidação do Polo Cultural / Artístico / Universitário do Bairro do Benfica, na cidade de Fortaleza, através da requalificação urbana da área, principalmente do quaderilártero formado pelas vias; Avenida Carapinima / Rua Senador Catunda / Rua Marechal Deodoro e Rua Padre Francisco Pinto, que engloba os prédios onde funcionam as faculdades/museu/centros de estudos/ e afins deverá ter um tratamento diferenciado no sentido de proporcionar e possibilitar ao pedestre livre trânsito entre os diversos espaços. Para isso será necessário que essa requalificação tenha como principal diretriz a integração física dos espaços dando prioridade ao pedestre e minimizando ao máximo os conflitos destes com os veículos. A interseção das Avenidas da Universidade e 13 de Maio deverá ser o cerne dessa transformação e ter como marco a volta ao local da Fonte dos Cavalinhos como ponto focal como já foi anteriormente, resgatando assim a memória.do Bairro para o fortalezense.

“A proposta partiu do meu olhar sobre cidade, já a inspiração veio em um momento de lazer: eu estava na praia e fiquei observando aquele área, próxima a orla. É a terceira vez que participo do concurso do Sinaenco. Minha motivação foi representar as cidades litorâneas, que são maioria no estado do Ceará. A ideia é integrar e consolidar o polo Benfica, que terá distribuído em seu espaço pequenos centros culturais, artísticos e universitários, por meio de um novo planejamento urbano para a área. Acredito que o projeto é capaz promover o trânsito livre de pedestre e resgatar a história do bairro.”



Votação da Comissão Técnica

   

Giovanna Duarte Almeida,
estudante de arquitetura, 18 anos


Requalificação da área central

A história construída é a identidade de um lugar e, quando deixada de lado, não há uma identidade do cidadão com seu lugar, e a cidade perde seu valor. No centro da cidade de Fortaleza encontra-se boa parte da história da capital. O nosso Centro Histórico (que não pode ser entendido apenas como o bairro Centro, mas considerando também o Jacarecanga e começo da Praia de Iracema) atualmente se encontra esquecido, e fazendo o fortalezense também esquecer sua identidade com a cidade. Basta um passeio por essa região que constata-se prédios históricos em estado de degradação, bangalôs totalmente esquecidos no tempo, praças esquecidas e toda uma região desvalorizada e abandonada. O bairro Centro é totalmente esquecido e vazio quando se encerram as atividades comerciais. Tendo uma grande taxa de criminalização em suas áreas e nos bairros vizinhos, como o Jacarecanga, por exemplo. Proponho, portanto, que haja planejamento para recuperação dessas atividades. Em estudos recentes, pude constatar que há projetos, como o da SecultFor voltado para o bairro Jacarecanga, idealizado e feito na gestão anterior, que pretende estabelecer no bairro uma zona cultural, preservando prédios históricos e dando novos usos (voltados para cultura) a eles; e assim transformando o bairro em um polo cultural da cidade. Porém esse projeto começou timidamente e se estagnou.

“Fiz para a faculdade um trabalho sobre o bairro de Jacarecanga, que fica próximo ao centro de Fortaleza, e percebi que aquela região precisa ser valorizada. A partir daí, pesquisei na internet e participei de um curso online do Ministério das Cidades sobre reabilitação urbana, que me ajudaram a elaborar a ideia do projeto. Fortaleza tem uma história recente e precisa preservar a sua identidade. A iniciativa do Sinaenco faz com que cada pessoa pense na sua cidade e puxe para si a responsabilidade por preservar e melhorar o lugar onde vive, e não só esperar por mudanças.”