Concurso


O Concurso de Ideias para Curitiba contou com diversas propostas, que ofereceram soluções criativas para a melhoria da infraestrutura de sua cidade. O Sinaenco acredita que é pensando antes que se constrói a cidade do futuro. Obrigada a todos aqueles que, a sua maneira, estão ajudando a planejar a Curitiba que queremos!

Confira abaixo as ideias vencedoras:

Votação Online

   

Ana Claudia Stangarlin Fróes,
arquiteta e urbanista


Terminal Urbano de Transporte Público na Área Central

Na região central de Curitiba, os problemas de mobilidade se fazem mais perceptíveis, tendo em vista a presença simultânea e concentrada das atividades urbanas, tais como comércio, moradia, administração, serviços e produção, constituindo o destino final de grande parcela dos deslocamentos diários da população residente no município e região metropolitana. Ainda, a estruturação do transporte público não integrado da região metropolitana e da grande maioria da Rede Integrada de Transporte Coletivo tem o centro como ponto de convergência. Assim, propõe-se a inserção de Terminal de Integração junto a Estação Rodoferroviária, levando em conta a alta demanda por transporte público e a necessidade de espaço para integração das linhas nas proximidades da área central. A proposta considera a possibilidade de fácil migração entre os diversos modais, sejam eles para atendimento de deslocamentos municipais, estaduais ou interestaduais. Sugere-se o terreno vago, localizado junto a estação rodoferroviária, para a instalação deste equipamento. Ocupado atualmente pelos remanescentes do pátio de manobras da rede ferroviária, dispõe da área necessária para o bom funcionamento do terminal e está localizado próximo a importantes equipamentos urbanos e de importantes vias que cruzam a área central. Constitui, também, espaço intersticial relevante, com potencial para suprir a demanda por áreas verdes e espaços de lazer na área, localizada junto ao bairro Rebouças, antigo reduto industrial do município, que vem recebendo diversos empreendimentos de caráter residencial. Ainda, é importante ressaltar que a proposta tem como ponto focal a redução dos deslocamentos via transporte motorizados no centro tradicional e deve ser associada a inserção de plano cicloviário, além de outras intervenções na malha viária local, que interligue o terminal proposto ao centro tradicional de maneira adequada.

“A proposta partiu da minha experiência universitária. Meu trabalho de conclusão de curso, apresentando na UFPR, foi em cima dessa ideia de integrar o transporte municipal com o metropolitano e o intermunicipal. A boa estruturação do transporte público de Curitiba se dá apenas em nível local. Em nível metropolitano ela é falha. Então, é preciso melhorar as conexões, adequando-as para a demanda que se tem hoje. Ao todo são 29 municípios, em todos eles a população de maneira geral migra diariamente para a capital por conta do trabalho, de serviços de saúde etc. Além dos ônibus, o terminal permitiria integração com o trem turístico que vai para Paranaguá e as linhas do metrô, atualmente em estudo. Embora Curitiba seja considerada desenvolvida em termos de planejamento urbano, a cidade tem deixado de lado esse olhar de futuro. Gostei do concurso justamente por estimular as pessoas pensarem as cidades lá na frente. É também uma forma da minha ideia ser ouvida por outras pessoas. Infelizmente, muitas propostas ficam restritas ao ambiente acadêmico.”






Votação da Comissão Técnica

   

Prianka Pagnussatt,
estudante de Engenharia
Ambiental da PUC/PR


Sistema integrado de infraestrutura verde

Entende-se que os processos de desmatamento retirando-se a vegetação original, o reafeiçoamento topográfico para construção de vias e edificações, a impermeabilização do solo e a implantação de obras de drenagem convencionais modificam todo o sistema de ciclo hidrológico de uma bacia hidrográfica aumentando a velocidade de escoamento das águas para o seu curso principal, contribuindo para o agravamento das inundações e a poluição difusa das águas. Contudo a redução expressiva da cobertura vegetal é intrínseca ao estabelecimento de zonas urbanas, proporcionalmente à ampliação dos processos de impermeabilização do solo. Desta forma, é proposto a elaboração de uma rede integrada de infraestrutura verde que consiste em telhados e paredes verdes, praças, parques e calçadas drenantes, os quais cumprem a função de: proteção e controle da densidade das áreas edificadas, contribuindo para o conforto ambiental e a saúde pública; contribuição para a qualidade das águas urbanas, com a conformação de um sistema de drenagem que propicie uma maior retenção, filtragem e sedimentação dos resíduos difusos que seriam lançados diretamente nos canais principais; recreação e lazer (educação ambiental, estudo do meio, interpretação). Neste sistema o dimensionamento das áreas verdes seria de acordo com tamanho dos quarteirões atendidos.

“Participei da palestra do De Olho no Futuro e foi daí que me interessei em enviar essa minha ideia. A proposta do sistema integrado de estrutura verde surgiu de um projeto de pesquisa de que participei na faculdade, cujo objetivo é criar uma metodologia de avaliação de desenvolvimento sustentável para Curitiba. Minha proposta é de implantação de telhados e paredes verdes, jardins verticais, praças, parques e calçadas permeáveis, enfim estruturas que contribuiriam tanto para a drenagem como para a o tratamento da água pluvial. Ajudam também a melhorar o microambiente do local e até auxiliam na sociabilização das pessoas, no caso de áreas verdes.”



Votação da Comissão Técnica

   

Patricia Zat,
arquiteta e urbanista


Faixa acessível nas calçadas

Na minha concepção as calçadas de Curitiba deveriam ser mais acessíveis e confortáveis a todos. Minha ideia é uma faixa acessível nas calçadas. Hoje são muitos os revestimentos dos calçamentos - petit pavé, pedras naturais -, mas no centro da cidade é impraticável andar em uma praça ou calçada com salto ou com carrinho de bebê, imaginem então a dificuldade para as pessoas idosas, gestantes ou portadores de necessidades especiais. A faixa que sugiro é com largura para uma cadeira de rodas ou para um carrinho de bebê, lisa e antiderrapante. Pode ser um cimentado que não escorregue ou dificulte a locomoção. Muito se fala em diminuir o uso do carro e usar transporte público, mas nem calçamento confortável ou em condições de uso pela maioria da população a cidade possui!

“Curitiba, apesar de ser uma cidade desenvolvida, não tem calçadas acessíveis a todos os cidadãos. Não só a cadeirantes, mas a idosos, mães com carrinhos de bebê. Então, a minha ideia é criar uma faixa livre de obstáculos, com largura compatível a de uma cadeira de rodas, que facilite a circulação dessas pessoas. Até porque há algumas calçadas na região central da cidade que são tombadas e não podem ser modificadas. O calçamento de petit-pavé, por exemplo, que faz parte do patrimônio histórico, dificulta o caminhar até de mulheres com salto alto. Depois que meu filho nasceu tenho circulado mais pela cidade e vejo situações de insegurança causadas por calçadas com buracos, desníveis e irregularidades.”