INFRAESTRUTURA

Em 25 anos, muita coisa acontece e muda a face das nossas cidades

Concebida a partir de 1956 e inaugurada em 1960, Brasília reúne hoje 2,5 milhões de habitantes, sendo que o planejamento original previa uma cidade para 600 mil habitantes no ano 2000.

Embora tenha havido uma expansão periférica promovida por governantes, a ocorrência de aglomerados subnormais é relativamente pequena (5,22% da população total) quando comparada a outras capitais.

Embora a configuração estrutural original do Plano Piloto tenha sido mantida, ao longo dos últimos 25 anos presenciamos o desenvolvimento de três Brasílias com evolução urbana distinta:

  • A do plano piloto, inteiramente ordenada, mas que cresce pela ocupação de áreas ainda vazias
  • A das cidades satélites, parcialmente ordenadas, igualmente se expandindo pela edificação de áreas ainda desocupadas
  • A do entorno, fora do Distrito Federal, com crescimento desordenado, caracterizada pela periferização da pobreza


O crescimento da cidade continua fortemente dependente do comportamento do Governo Federal, em relação ao seu quadro de pessoal. Nos últimos 25 anos, marcados pela Nova Constituição e a consolidação da redemocratização, a máquina federal teve um grande crescimento: parte pela absorção de atividades terceirizadas, parte pela expansão das funções, com a criação sucessiva de novos Ministérios, que chega hoje a 39, além da expansão de vários quadro burocráticos intermediários.

O modelo centralizador da Federação Brasileira, com a União concentrando os recursos e os Estados e municípios com atribuições, porém dependentes dos recursos federais, dá vazão a um grande volume do “turismo burocrático”, fazendo com que servidores estaduais e municipais acorram frequentemente a Brasília para tratar da obtenção ou liberação de recursos federais vinculados. A essa situação se soma o turismo de negócios do setor privado, voltado para os contratos, regulações e pendências fiscais e judiciais. Esse turismo movimenta a rede hoteleira e gastronômica, gerando milhares de empregos de trabalhadores que moram nas cidades satélites ou no entorno do DF, o que dinamizou a cidade nas últimas décadas.

Tendo obtido, em 1987, o status de Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO, Brasília é ainda uma referência mundial de cidade planejada, não obstante as sucessivas distorções ocorridas no seu plano original.

Neste período, Brasília viu ainda a inauguração de seu Metrô, com os primeiros trechos entrando em funcionamento em 2001, e a Estrada Parque Taguatinga (EPTG), via de ligação entre a capital e as cidades de Guará, Parq Way, Águas Claras, Vicente Pires, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia e Recanto das Emas, que impactou a região do seu entorno, com forte urbanização, além da nova Rodoviária Interestadual de Brasília, em 2010. Em 2010 a EPTG (DF-085) foi ampliada, formando a "Linha Verde". Em 2012 entraram em operação as linhas de ônibus semi-expressas, em corredor com faixa exclusiva.

Outra significativa obra de infraestrutura foi a Ponte Juscelino Kubitschek. Inaugurada em 2002 e ligando o Lago Sul, Paranoá e São Sebastião à parte central de Brasília, através do Eixo Monumental, a ponte tornou-se um marco na paisagem da cidade.